Vacina Contra Haemophilus influenzae

Composição
Pó liofilizado injetável composto por polissacarídeo capsular purificado (PRRP) de Haemophilus influenzae tipo b conjugado com toxoide tetânico ou proteína CRM197 e excipiente lactose. Diluete solução salina estéril.

Indicação

Prevenção de infecções  invasivas causadas  pela  bactéria Haemophilus  influenzae tipo  b responsável  por  doenças  graves  como meningite, epiglotite, bacteremia/sepse, celulite, artrite, pneumonia.

Apresentação

  • A vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) faz parte do calendário básico do Programa Nacional de Imunizações, compondo a vacina pentavalente/SUS (vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B recombinante e Haemophilus influenzae b conjugada).

  • Nas clínicas privadas, a vacina Haemophilus influenzae b conjugada é um dos componentes das vacinas combinadas:

    • Pentavalente/clínica privada (vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis acelular, Haemophilus influenzae b conjugada e vacina inativada contra poliomielite tipo Salk)

    • Hexavalente (vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis acelular, Haemophilus influenzae b conjugada, vacina inativada contra poliomielite tipo Salk e hepatite B recombinante), 

Contraindicações

Somente as contraindicações gerais, anafilaxia prévia a qualquer componente da vacina contraindica o seu uso.

Esquema, dose e aplicação

O volume da vacina a ser administrado é de 0,5 mL por via intramuscular profunda.

  • A vacina anti-Hemofilus b combinada com DTP e Hepatite B (Pentavalente SUS) é aplicada aos dois, quatro e seis meses.

  • Quando se optar pelas vacinas combinadas de clínicas privadas, o esquema fica assim:

    • Hexavalente (Anti-Hemofilus influenza b combinada com DTPa,  poliomielite inativada tipo Salk e hepatite B) é administrada aos dois e seis meses.

    • Pentavalente (Anti-Hemofilus influenza b combinada com DTPa e poliomielite inativada tipo Salk) é administrada aos quatro meses e um reforço aos quinze meses.

Eventos Adversos

  • Manifestações locais

Geralmente leves e limitadas às primeiras 24 horas após vacinação, apresentando eritema, edema e dor em 3,7% a 30% dos vacinados. Eventualmente podem ocorrer abscessos locais, decorrentes da contaminação bacteriana secundária por falha técnica de aplicação vacinal. O prognóstico dos eventos adversos locais é bom, com evolução para cura espontânea na grande maioria dos casos.

  • Manifestações sistêmicas

Pode ocorrer febre, irritabilidade e sonolência em <10% dos vacinados. Não há relatos de eventos pós-vacinação graves que possam ser atribuídos à vacinação. A anafilaxia é rara.
Alguns poucos casos de mielite transversa, trombocitopenia, anafilaxia e síndrome de Guilain-Barré foram temporalmente relacionados à administração das vacinas Hib, porém estudos não encontraram evidências suficientes para estabelecer ou rejeitar relação causal entre as vacinas Hib e essas doenças.

Alguns aspectos epidemiológicos da infecção por Haemophilus influenzae b
Agente Etiológico
Modo de Transmissão
 
Período de Incubação
Transmissibilidade

 
Imunidade
Forma capsulada da bactéria Haemophilus influenzae do tipo b (Hib)
 
Transmissão direta por meio de gotículas e secreções nasofarígeas
 
 
De dois a quatro dias
 
Enquanto a bactéria estiver presente no organismo até 48 horas após o início da antibioticoterapia
 
 
A imunidade aumenta com a idade, podendo ser induzida por outras bactérias por imunidade cruzada. A partir de três anos a suscetibilidade vai diminuindo