A consulta pediátrica pré-natal

A consulta da gestante com o pediatra no terceiro trimestre da gravidez é uma grande oportunidade para ações de prevenção de riscos à criança e de estabelecimento de vínculo do profissional com a família. É considerada um dos pilares da tríade que visa reduzir a morbimortalidade neonatal. Essa tríade inclui, além da consulta pediátrica ante natal, a assistência ao recém-nascido na sala de parto e a consulta pós natal dentro da primeira semana de vida do bebê.
Estratégias para redução da
morbimortalidade neonatal

O conceito de "programação metabólica" associado aos "primeiros 1.000 (mil) dias de vida" (período que vai do início da gestação até a criança completar dois anos de idade) evidencia a importância desse período na saúde da criança e na prevenção de agravos de saúde do futuro adulto. Portanto, ações que incidem nesse período têm impacto significativo em reduzir a morbimortalidade infantil com reflexos futuros. Entre essas ações, destacam-se as consultas obstétricas do programa de pré-natal e seus cuidados com a gestante, a nutrição adequada na gestação, a assistência ao parto, a assistência pediátrica em sala de parto e o acompanhamento de puericultura desde a primeira semana de vida pós-natal. Nesse contexto, a consulta da gestante com o pediatra no terceiro trimestre é uma oportunidade de comunicação entre obstetra, família e pediatra, permitindo, além do estabelecimento precoce de vínculo com a família, a definição coletiva de diversos pontos importantes, como o estímulo e preparo para a amamentação, esclarecimento de dúvidas sobre os cuidados com o recém-nascido, entre outras questões igualmente relevantes.

Durante o agendamento da consulta, a gestante deverá ser orientada a comparecer acompanhada por alguém da família que irá participar dos cuidados com o bebê e levar o cartão de pré-natal, comprovante de vacinação, resultados de exames laboratoriais e ultrassonografias, além das prescrições com medicamentos usados. Na consulta, devem ser abordados vários aspectos da gestação, parto, nascimento e acompanhamento da saúde da criança, tais como:

  • Intercorrências no pré-natal 

  • Prevenção de doenças infecciosas

  • Vias de parto

  • Assistência pediátrica em sala de parto

  • Aleitamento materno

  • Testes de triagem neonatal

  • Impacto do nascimento da criança para a família

  • Vacinas e outros aspectos sobre os cuidados com o bebê

  • Segurança da criança

no Trabalho

Durante a consulta, é importante que haja um tempo livre para a família colocar suas dúvidas, receios e outras demandas. No final, orientar sobre a necessidade de realização da primeira consulta de puericultura ainda dentro da primeira semana de vida e reforçar a importância do acompanhamento de puericultura para a prevenção de doenças e a promoção da saúde da criança.

Roteiro da Consulta

Exame Físico

Aferir o peso atual da gestante e verificar a curva ponderal da gestação, calcular o IMC. 

Aferição da pressão arterial;
Avaliação de edema periférico;
Exame das mamas e orientação quanto à prevenção de fissuras de mamilos, orientações sobre a “pega” adequada e ordenha manual quando necessária.

Checkup de gravidez de rotina
Photoshoot gravidez

É importante imprimir as orientações fornecidas na consulta pediátrica pré-natal para que a família possa consultar em casa.

Texto Base de Referência: Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial (2019-2021). A Consulta Pediátrica Pré-Natal. Manual de Orientação número 1. Sociedade Brasileira de Pediatria. Abril de 2020.

acesse o documento aqui

Identificação dos pais:

Nome, idade, procedência, ocupação, classificação sanguínea ABO/Rh/uso de imunoglobulina anti-Rh.
 

Anamnese:
História obstétrica: DUM, IG atual, planejamento da gestação, GESTA, PARA, intervalos entre as gestações, e vias dos partos,  óbito fetal ou neonatal, partos prematuros, gemelaridade,  intercorrências na gestação atual e em gestações anteriores, uso de medicamentos, uso de drogas lícitas ou ilícitas pela gestante, 
condições clínicas prévias.

Amamentação: experiências anteriores, incluindo dificuldades e duração do período de aleitamento materno.
História familiar: consanguinidade, malformações congênitas, síndromes genéticas, diabetes mellitus, HAS... aspectos da estrutura familiar.
História epidemiológica: presença de animais na casa, saneamento, hábitos de vida, doenças endêmicas e epidêmicas na região.

Exames complementares da gestação: Verificar e interpretar os exames laboratoriais, incluindo os testes sorológicos, a triagem para estreptococos B. Checar os exames de imagem (ultrassonografias (USG) obstétricas e morfológicas, translucência nucal, avaliação de risco para prematuridade/baixo peso), ecocardiografia fetal...)